Correndo na rua

Uma coisa muito legal de corrida na rua, é que correr na rua implica que você passe pelas ruas. Muitas ruas que outrora você passa de carro ouvindo rádio e preocupado com o trânsito à frente, agora você tem a oportunidade de passar em uma velocidade bem menor (às vezes nem tão menor assim), e também tem a oportunidade de sentir a textura da rua (conhecer melhor os buracos que você passa), e ver o que há ao redor de um ângulo muito diferente. E é isso que dá o charme de várias maratonas ao redor do mundo, onde você pode passar por lugares muito conhecidos. As grandes cidades do mundo fazem suas maratonas como uma forma das pessoas verem e sentirem o que há de mais bonito nelas, toda vez que vejo alguma foto da maratona de Roma, vejo os corredores à frente do Coliseu. Como não posso falar nada de maratona posso falar que entrar no meio da Av. Paulista, por exemplo, depois de trilhar 14,5 Kms de São Silvestre foi para mim uma emoção muito grande.

Já corri três vezes no Minhocão, e embora não ache o melhor lugar do mundo para correr, pois é um lugar fechado demais para bater algum vento para refrescar, por outro lado é bem legal, ver o pessoal nas janelas dos apartamentos vendo os corredores passar, como minha velocidade ainda não é tão grande, esse ainda é um prazer bem interessante destas corridas. Por isso que correr essas provas que a prefeitura fez foi bem interessante também, minha esposa fala que uma das coisas que ela pensava era onde acabavam as ruas que ela passava, e onde outras ruas levavam, e foi uma oportunidade rara de conhecer algumas destas ruas e de correr em algumas ruas do Perus, do final da Inajar de Souza na Freguesia do Ó e da Casa Verde e matar a curiosidade em ver a vida por trás de toda paisagem bonita ou feia que se veja.

Nós como caçadores de corridas baratas, corremos 15 Km neste último final de semana em Barueri, tive essa mesma experiência, embora hajam algumas ruas que não são tão bonitas assim, foi legal passar nessas ruas e ver o pessoal em casa vendo a gente passar, alguns esperando todos os corredores passar para sair, ir à igreja, passar à frente de uma Igreja Presbiteriana Independente aberta para Escola Dominical indiferente ao que acontecia, uma igreja Deus é Amor meio vazia instalada numa garagem com uma senhora orando no púlpito e um cachorro no corredor entre as cadeiras. Coisas que não via há muito tempo, foi um cenário que mostra a simplicidade da vida que a gente muitas vezes despreza no dia a dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *