Inspiração para este ano

Esta manhã, dois links mexeram comigo:

Eugene Cho – Eugene é o pastor da Quest, uma comunidade multiracial de Seatle que toca também a Q Café, um sonho de café missional na cidade, ele postou ainda hoje “thank God for George“, um agradecimento a um amigo seu que o acompanha desde quando começaram as primeiras reuniões para início da Quest. O que me marcou, foi ele lembrar da experiência de fazer os primeiros encontros quando ele distribuía vários convites e o preocupava saber se alguém viria. É o tipo de coisa que já passei várias vezes, promover alguns encontros e não ter a menor idéia de quem vai aparecer e a tensão de saber com que consideração as pessoas estão vendo estes momentos que você planeja com bastante carinho. Não é o tipo de atividade para quem não queira se machucar, não dá para promover estes encontros sem entrega. É um risco realmente inevitável, mas, considerando o que está em jogo, necessário, e vendo o que aconteceu somente 8 anos depois, animador.

Mennohauss – Descobri essa comunidade, pois o Renovatio Café foi linkado por eles e recebemos ontem a primeira visita, eles definiram a Mennohauss como uma “tradição ocasional de grandes amigos, comida saborosa, conversas significativas, arroz com feijão comunitários e aprendizado entre gerações”. Não deu para saber muito deles logo de início no blog deles, pois ainda são poucos posts, não sei se tem brasileiros no meio, por causa de um dos líderes ser chamado de Flávio e de terem arroz com feijão, mas creio que estão em um início de jornada, e já fizeram algumas coisas bem interessantes.  Eles me lembraram a Small Boat Big Sea, da Austrália, que gostam de marcar a celebração deles com boa comida, dá realmente uma cara muito generosa aos encontros.

É o tipo de coisa que me joga de joelhos para falar pra Deus, aí falo tantas coisas desde “ahh… de novo!” até “como? como? como? como?”. Quem já lê meus posts há mais tempo, já sabe o quanto tem dias que sou sensível a isso tudo. Sei lá, vamos ver o que a gente faz com esses sonhos todos!

Começando 2009

Tinha uns anos que eu começava imaginando uma folha em branco, muitas oportunidades para criar projetos extremamente novos e tornar as coisas realmente diferentes. Não vejo este ano dessa forma, mas isso não significa que não continue vendo tudo de forma bastante otimista. Vendo o último post, aconteceu tanta coisa legal no ano passado que não dá para não aproveitar tudo de bom que passei para ter experiências ainda melhores, não tenho mais uma folha em branco, mas tenho muitas ferramentas para tornar essa folha ainda mais bonita!

E 2008, como foi?

De repente chegamos ao final de 2008, desde que comecei meu blog, tenho colocado algumas coisas que tem me marcado em cada ano, como esse final de ciclo me dá uma boa oportunidade para rever para onde a vida tem caminhado, estes posts tem servido bem para essa revisão, eu costumava listar os livros que mais gostei, mas li somente 6 livros este ano, então espero melhorar essa performance, os melhores filmes você vai ver no post abaixo a respeito dos prêmios que ganhei. vamos lá:

Renovatio Café – Comecei o ano fuçando no Joomla e chamando um pessoal para colaborar com um site que serviria de estímulo para a tal de conversa emergente, lançamos o site no final de fevereiro e este tem me dado muito trabalho e muita satisfação em conhecer gente legal e saber o que Deus tem feito de novo aqui no Brasil. Com a colaboração e envolvimento do pessoal, o site já tem uma cara bastante própria, já tem um conteúdo realmente interessante que tenho toda firmeza em indicar, além disso, o site me deu a oportunidade de conversar pessoalmente com um pessoal muito legal que antes só conhecia pelos livros e ações na internet e que geraram entrevistas muito interessantes como Tom e Christine Sine, Spencer Burke, Rubens Muzio e o Mark Scandrette (cuja entrevista devo lançar nas próximas semanas).

Visita do Spencer Burke a São Paulo – e é como falei, em um momento me inspirava com o site The Ooze desejando um dia ter um site igual aqui no Brasil e em outro, estou conversando com o próprio Spencer Burke em minha casa. Sua visita coincidiu com o dia do meu aniversário, com ele promovemos uma conversa muito boa com a turma da conversa emergente de São Paulo a qual deixamos seu registro no Renovatio Café, e levantamos várias possibilidades de projetos para o futuro juntos. Foi um final de semana realmente intenso e marcante.

Perguntas que fazemos ao travesseiro – Estava com este projeto em mente há bastante tempo e com a ajuda do Sandro Baggio e o pessoal do Projeto 242, pudemos fazer quatro encontros muito legais, conversar de forma que fazia há muito tempo não tinha conversas tão gostosas. Já tem gente cobrando mais encontros no próximo ano e isso é bom!

– Meu carro – precisei trocar o carro esse ano, não troquei a marca, somente troquei por um outro “zero”, essa compra foi relevante porque afetou todo meu orçamento até 2010, fora meu apartamento, nunca fiz um financiamento tão grande, isso meio que me incomoda, mas apertamos o cinto e desfrutamos o carro.

– Os prêmios do Estadão – Se de um lado, o dinheiro está mais curto, de outro, recebi graça em ganhar vários ingressos do meu jornal para diversão da família, em uma promoção ganhei seis pares de ingresso para cinema, fazia muito tempo que não assistia tantos filmes que eu queria, e nessa série de “nunca na história dessa família” ganhamos ingressos para ir ao circo e ao teatro. Isso fora nossas visitas ao Parque da Mônica, próximo no final dessa semana e nossa oportunidade de voltar ao Hopi Hari nas próximas férias, a nossa primeira vez, em julho, foi por nossa conta.

– O que não deu tão certo – à medida que as tentativas implicam risco de sucesso assim como de insucesso, é interessante lembrar o que não deu tão certo esse ano, pelo menos tentei, posso citar então o Projeto Mandaqui, meu desejo em aprender a cozinhar e reunir o pessoal para cafés no Starbucks às quartas feiras, estes dois últimos ficam para 2009.

Se você gosta destas retrospecitvas, veja outras:

E tem as minhas dos últimos anos, talvez até tenha começado alguns da mesma forma:

Banco de Agitos

No começo do Renovatio Café, o Ricardo Oliveira nos ajudou publicando um artigo bem interessante sobre como montar uma programação para jovens e adolescentes. O artigo tem sido um dos mais visitados, buscados e comentados na história do site, um número até constrangedor de gente apareceu pedindo dicas e dinâmicas para programações com jovens e adolescentes. Como o scopo do Renovatio Café tem sido mais de reforma do que se tem visto e repensar os métodos da igreja hoje, não poderíamos redirecionar o site para começar a publicar dinâmicas para adolescentes e brincadeiras de acampamentos.

Como já me envolvi bastante nesse trabalho com jovens, já inventei bastante coisa pra fazer com a moçada e decidi trabalhar em um site para atender essa “demanda”, então, desde agosto comecei a trabalhar com o Banco de Agitos, lancei o site como “Beta” como desculpa para lançar o site ainda não tão terminado como gostaria, tem sido difícil concentrar tanto tempo quanto gostaria para torná-lo realmente terminado. Mas pude fazer o mínimo que queria, colocar algumas dinâmicas e abrir o código da Caçada ao Outubro Vermelho, isso foi o que deu realmente trabalho, a caçada é um pouco complexa, e embora seja bastante difícil ensiná-la a fazer a gincana sem mim, uma programação realmente estruturada faz uma grande diferença. O site foi uma boa oportunidade para juntar tudo o que fiz nessa gincana até agora, eu sinceramente gostaria que meus filhos participassem de uma coisa assim, então, o material vai me servir como referência para um futuro próximo. Espero ter conseguido fazer bem esse trabalho.

Perguntas que fazemos ao travesseiro

Nesse meio tempo unblogged, tive algumas semanas bem intensas que valeram demais a pena por todo esforço despendido. Peguei uma sala em um hotel no Itaim (Tryp Itaim), pedi ajuda ao amigo Sandro Baggio e pude promover quatro encontros com o tema “Perguntas que fazemos ao travesseiro“, o Jota me ajudou bastante com um convite muito bonito que, aliado ao tema, chamou muita atenção do pessoal que o recebeu:

Perguntas que fazemos ao travesseiro
Perguntas que fazemos ao travesseiro

Foi bastante interessante o quanto o tema chamou a atenção, durante o dia no hotel, o pessoal perguntava para o concierge o que seria esse tipo de evento que aconteceria mais à noite.

Foi um momento para reunir amigos que já não vemos tão frequentemente, e de pensar o quanto temos de fazer questão destes encontros, engraçado que se a gente não partilha mais o mesmo trabalho ou a mesma escola, a convivência acaba a não ser que façamos muita questão disso, e mesmo com todo esse esforço, acabamos desfrutando essa conversa de 2 a 3 vezes em um ano, isso se fazermos real questão para essa conversa.

Foi momento também de colocar à prova aquilo que tenho aprendido de se viver espiritualidade de uma forma total, sem diferenciar momentos em casa, na igreja ou no trabalho. Apresentar isso de uma forma não tão religiosa dá um grande trabalho quando se viveu a vida inteira aprendendo a apresentar questões dsc06022espirituais extritamente dentro da igreja, e para compartilhar isso para amigos que não tem esse background exige que a gente reaprenda como se comunica as coisas para todas as pessoas no dia a dia. Não dá para falar que a gente conseguiu isso totalmente, mas acho que a gente conseguiu avançar bastante nesse aprendizado com estes eventos, pudemos compartilhar conceitos riquíssimos que encontramos na Bíblia com o que Salomão escreveu no livro de Eclesiastes sem deixar de relacionar estes conceitos com as propostas de Reino que Jesus Cristo colocou. Para isso, utilizamos músicas, clips musicais, filmes, apresentações cênicas, pinturas e conversa. Nada disso seria possível sem o envolvimento generoso de um pessoal bastante capacitado como a Verônica que interpretou textos muito bons, o David Kim que nos disponibilizou alguns de seus quadros, o Luciano, o Maurício e a Beth que apresentaram músicas de forma muito legal e também o Hudson com quem trabalhamos bastante juntamente com o Sandro para reunir todos os elementos para tornar os encontros realmente relevantes. Foi um enorme privilégio poder contar com um pessoal desse para estes eventos. Com o pessoal que apareceu, as conversas se estendiam até bem tarde e iriam mais para frente ainda se não estivéssemos no meio da semana de bastante trabalho.

dsc06004O objetivo não era exatamente responder às perguntas que fazemos ao travesseiro, mas sim refletir o quanto as perguntas fazem realmente sentido fora do travesseiro, conversamos no quanto dinheiro era o suficiente para nós, em como fazer as coisas no tempo no pouco tempo que temos, como ser feliz e no sentido da vida. São perguntas que nos assaltam e acabam realmente nos roubando muita coisa se a nossa resposta estiver relacionada a este esquema de mundo em que precisamos ter coisas para ser feliz e ocupar nosso tempo ao máximo e se envolvendo em tudo o que puder para parecer mais importantes. As propostas simples de relacionamento, silêncio e repouso que Jesus praticava vão totalmente DE encontro ao mundo que somos levados a viver. Estes momentos de arte, reflexão e conversa é tudo que precisamos para não ficar loucos com todas as exigências que até aceitamos e tornam estes dias tão malucos.

Foram quartas-feiras realmente memoráveis, muitos amigos quiseram ir, mas não puderam pois sempre acontecia alguma coisa, essa loucura de cidade nos prega estas surpresas, mas o importante é perseverar para ter mais momentos como esses, uma vez desfrutando você descobre o quanto isso tudo é essencial. Realmente espero voltar com estes encontros no próximo ano, por tudo isso valeu muito à pena.